quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Torta de Frango Mais Que Especial


Tem dia que eu quero colocar a mão na massa... Pegar na farinha, misturar com manteiga, transformar uma coisa em outra coisa. Nesse dia eu quis e achei uma receita com vários passos, mas sem grandes técnicas complexas. Estava com tempo e resolvi tentar. Esse dia foi o primeiro de muitos, porque me apaixonei perdidamente por essa torta e com certeza é um dos pratos mais saborosos que já apareceu por aqui.


É uma torta de frango, mas não é só uma torta de frango... é uma torta molhadinha, crocante, com cogumelos e cebolas docinhas... ai ai...

Pra variar foi o livro do Ramsay que sempre me surpreende!

Não é difícil, mas demora um pouco... A massa podre é um clássico fácil de fazer e você vai poder usar em várias receitas. Aqui em casa a gente faz a torta no fim de semana e congela metade. Depois durante a semana, descongelamos no microondas e deixamos no forno uns 10 minutos pra voltar a crocância. Funciona muuuuito!

Feita a propaganda, vamos aos trabalhos!

Ingredientes da massa:
  • 300g de farinha de trigo
  • 1 e 1/2 colher (chá) de sal
  • 220g de manteiga gelada cortada em cubos
  • 5 colheres (sopa) de água gelada 
Ingredientes do recheio:
  • 800ml de caldo de galinha (ou 1 e 1/2 cubo de caldo de galinha dissolvido em água)
  • 2 ramos de tomilho
  • 3 peitos de frango (+- 600g)
  • 300g de cebolas baby ou chalotas descascadas
  • 400g de cogumelos paris ou champignon frescos e limpos
  • 50g de manteiga
  • 50g de farinha de trigo
  • 200ml de creme de leite fresco
  • 2 gemas pra pincelar
Primeiro vamos fazer a massa. 
  1. Coloque no processador a farinha, o sal e a manteiga em cubos. Bata até ficar parecendo um farelo de pão. É bem rápido. Se não tiver um processador, vá apertando a manteiga e a farinha com as pontas dos dedos. Tente fazer isso de maneira rápida e sem manipular muito. Quanto menos a gente manipular, mais crocante fica a massa depois de assada. Se sobrar uns pedacinhos de manteiga, não tem problema.
  2. Tire do processador, acrescente a água gelada e aperte a massa até virar uma bola. Formou a bola, tá pronto, não precisa ficar super lisa. Se for necessário acrescente mais água, mas cuidado, faça isso beeem aos poucos pra massa não ficar muito molhada, caso contrário ela vai ficar muito quebradiça e difícil de manipular.
  3. Cubra com um saco plástico e leve à geladeira. 

Vamos pro recheio! Pega o cronômetro do celular aí e vambora!

  1. Coloque o caldo* pra ferver.
    *Tá, eu sei que o certo era fazer o caldo de verdade... até já fiz caldo de legumes algumas vezes e é ótimo, mas nem sempre tenho isso na geladeira ou tenho tempo e ingredientes pra fazer. Mas penso que se na maioria das vezes estou comendo comida de verdade, um cubinho de knorr não vai fazer mal... O problemático é viver disso, né? Pronto, agora livres da culpa, podemos continuar.
  2. Acrescente o tomilho e os peitos de frango (sem picar mesmo) e deixe cozinhar por 12 minutos
  3. Enquanto isso, corte os cogumelos em 4 ou ao meio se forem pequenos. Lembre-se que vão encolher bastante quando cozinhar
  4. Transfira o frango para um prato e deixe esfriar
  5. Acrescente as cebolas ao caldo e cozinhe por 5 minutos
  6. Acrescente os cogumelos e cozinhe por mais 5 minutos
  7. Retire as cebolas e os cogumelos com uma escumadeira e reserve
  8. Deixe o caldo reduzindo no fogo até sobrar 300ml. Eu costumo derramar num copo medidor pra ter uma idéia de quanto líquido tem porque não sei assim só de olhar... Às vezes eu testo umas 3 vezes antes de chegar em 300ml de fato. (Por que exatamente 300ml? Sei lá... Ramsay disse que sim e ponto)
  9. Enquanto o caldo reduz, corte o frango em cubos médios... tipo 2X2cm mais ou menos. E junte aos cogumelos e cebolas
  10. Quando o caldo estiver reduzido, coloque em um recipiente
  11. Devolva a panela ao fogo baixo, derreta a manteiga e junte a farinha mexendo até que comece a dourar. Deve demorar um minuto ou dois.
  12. Vá acrescentando o caldo aos poucos e mexendo. Eu gosto de usar um fuê nesse momento porque ajuda a não formar bolinhas de farinha. Vá mexendo até engrossar um pouco e ficar cremoso.
  13. Adicione o creme de leite e deixe levantar fervura.
  14. Acerte o sal e a pimenta (se precisar)
  15. Desligue o fogo e devolva à panela o frango, os cogumelos e cebolas. Misture bem e deixe esfriar

Voltamos à massa:
  1. Aqueça o forno a 200 graus.
  2. Divida a massa em duas partes, uma com 2/3 e outra com 1/3.
  3. Pegue a parte maior e abra em uma superfície bem enfarinhada. Cubra o fundo e as laterais de uma fôrma de mais ou menos 23cm que não precisa estar untada. 
  4. Acrescente o recheio.
  5. Abra a outra parte da massa e coloque sobre o recheio. Aperte as bordas e retire os excessos com uma faca.
  6. Faça um corte em X no meio da torta para sair o vapor. Se quiser pode colocar um funil de torta pra ficar mais lindo :)
  7. Pincele a torta com as gemas batidas com uma colher de água para dourar bem.
  8. Leve para assar por cerca de 35 minutos até ficar dourado.
Pronto, nem doeu! E se você chegou até aqui vai me agradecer em pensamento por ter insistido tanto!


segunda-feira, 13 de julho de 2015

Strogonoff de Filé Suíno do Ramsay

Olá Internet! Saudades de você...

Pra hoje temos uma receita que mistura um monte de coisa boa! Um pouquinho de Minas Gerais (carne de porco só me lembra o sítio do papai), um tanto de amigos bacanas (oi amigos!?), um livro de receitas (do Gordon Ramsay) e um bom vinho (pinot combinou demais, mas já tomamos de tudo com ele). E só!

Tivemos mais de uma oportunidade de cozinhar esse prato para os amigos e, pra minha alegria, foi do jeito que imaginei desde a primeira vez que testei a receita: todo mundo passando o dedo no prato pra lamber o restinho do molho, felizes e um tiquinho embriagados :)

Então não deu pra evitar, precisei voltar nesse espacinho pra compartilhar com quem mais quiser ver pessoas comendo felizes. O nome do livro já sugere "Cozinhando para os amigos", e não tinha como ser mais acertado!

É um strogonoff diferente, porque não é de frango ou filé bovino, é de porco. E não tem mostarda ou catchup, tem páprica doce defumada... Encorajo todos a procurarem esse tempero em feiras, empórios (ou na internet, quem sabe?!) porque é fantástico, muito saboroso e aromático, além de dar uma cor linda!

Opa, só mais um detalhe (importantíssimo): é muito fácil de fazer!

Ingredientes (para duas pessoas):

  • 500g de filé de porco (parece o lombinho, mas é mais fininho e tem aquela fibra parecida com o filé mignon bovino)
  • 1 colher sopa de páprica doce defumada (a receita original pedia colher de chá)
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 1 cebola grande (ou duas pequenas) cortada em fatias finas
  • 2 dentes de alho amassados
  • 250g de cogumelos champignon frescos em fatias grossas (se eu pudesse colocava 1 quilo :) )
  • 1 dose de conhaque, brandy ou whisky
  • 250ml de creme de leite fresco (na falta do fresco, manda uma caixinha de creme de leite mesmo que funciona)
  • Suco de meio limão
  • 1/2 xícara de salsinha fresca picada


Obs: O preparo é bem rápido então deixe tudo separado e picadinho.

A primeira coisa a fazer é limpar o filé suíno, retirando as gorduras aparentes e a fibra branquinha que fica em volta. Se você está comprando o filé no açougue, pode pedir pro pessoal já entregar limpo. Eu não tenho facas legais pra carne e sempre sofro um pouco pra limpar sem ficar tudo picotadinho.
Corte em fatias de 1cm ou 1,5 cm mais ou menos, tempere com o limão, sal, pimenta do reino e a páprica.

O cogumelo pode ser comprado já limpo também, mas não encontramos no dia das fotos, então tivemos que lavá-los. Tem muita gente que diz que não se deve lavar cogumelos porque eles absorvem água e tal, mas não consigo me convencer que só passando um paninho estarão limpos. O que eu faço é passar o mais rápido possível em água corrente ajudando com uma faquinha a tirar as sujeiras mais resistentes.

Aqueça 2 colheres de azeite e a manteiga em uma frigideira grande ou uma panela de fundo largo. Adicione a cebola e frite em fogo médio até ficar transparente e meio amareladinha, junte então o alho e os cogumelos. Aumente o fogo e cozinhe até que os cogumelos soltem a água e fiquem dourados e macios.


Transfira tudo para um recipiente e acrescente mais duas colheres de azeite na frigideira. Frite o filé aos poucos para que fiquem dourados dos dois lados e não junte água na panela. Quando todas as fatias estiverem douradas volte as cebolas e cogumelos para a panela, acrescente o conhaque e flambe. Se não quiser pôr fogo na cozinha, pode deixar ferver um minutinho pra evaporar o álcool.
Acrescente então o creme de leite, mexa e acerte o sal e a pimenta. Desligue o fogo, adicione a salsinha e voilá! Só servir!


Um arroz branco e umas folhas frescas fazem um bom complemento.

É elogio garantido!

domingo, 11 de maio de 2014

Bolonhesa (Maravilhoso!) de Linguiça e Erva Doce

Comida é um mundo e a gente não para nunca de aprender, né?! Desde o primeiro frango caipira na casa da mamãe, até hoje, já passei por tanto ingrediente e por tanto "modo de fazer" que já perdi as contas. A sensação é de que no fundo a gente nunca sabe nada.

Essa pausa do blog foi quase uma marinada. Sabe quando você deixa descansar para pegar mais sabor? Eu me sinto um pouco assim... Muita cozinha sem compromisso, sem preocupação quanto a dar certo ou errado e sem preconceito com ingredientes que eu não "ia muito com a cara". Foi bom, foi gostoso e aos poucos vamos espalhando por aqui.

Essa semana eu aprendi a usar 2 ingredientes comuns: um deles é a linguicinha de porco que esteve na minha casa desde que tenho dentinho. O outro é a erva doce...
Estava folheando o livro do Jamie Oliver - "30 Minutos e Pronto", na busca de alguma coisa fácil e saborosa porque a fome estava empatada com a preguiça e se eu tentasse algo mais complexo ia pedir pizza mesmo. Escolhi uma massa que devia ficar pronta em 15 minutos... Demorou 30, mas vá lá: foi uma das melhores massas que já comemos na vida! Jamie, nós te amamos! Ele ousou triturar uma linguiça e temperar com erva doce (eca!) e me mostrou que não existe ingrediente "eca!", existe ingrediente mal utilizado. Bolo de fubá com erva doce foi meio traumático pra mim e eu coloquei a culpa nessa sementinha a vida toda... Talvez fosse só um excesso no bolinho comprado na rua. Tenho que admitir que esse detalhe fez TODA a diferença no prato e tirou do lugar comum.
Chega de conversa fiada! Vamos cozinhar!

Ingredientes: Fiz o molho na medida do livro (4 pessoas), mas usei massa para 3, pois gosto de bastante molho :)
  • 1/2 pacote de espaguete integral
  • 400g de uma boa linguiça (usei a linguiça do Jerivá)
  • 1 cenoura grande em rodelas
  • 1 talo de salsão (aipo)
  • 1 pimenta vermelha (como a linguiça já era picante, usei pimenta de cheiro)
  • 1 colher (chá) de erva doce 
  • 1 colher (chá) de orégano seco
  • 4 dentes de alho pequenos 
  • cebolinha verde
  • 4 colheres de vinagre balsâmico (eu usei creme balsâmico que é mais adocicado e mais cremoso)
  • 1 lata de tomate pelado
  • manjericão fresco
  • 30g de parmesão
Primeiro coloque a água do macarrão para esquentar. Em seguida bata no multiprocessador a cenoura, a cebolinha, a pimenta e o salsão. Se não tiver multiprocessador, pode ser liquidificador, só dá mais trabalho porque tem que ir parando de vez em quando para misturar. Acrescente a linguiça, a erva doce e o orégano e bata até ficar homogêneo.
Aqueça um fio de azeite em uma frigideira e acrescente a linguiça processada e os dentes de alho amassados ou espremidos. Vá mexendo de vez em quando.

Acrescente sal na água e leve o macarrão para cozinhar. Fique atento ao tempo de cozimento da massa indicado na embalagem. 

Quando a linguiça estiver começando a dourar, acrescente o vinagre balsâmico e o tomate pelado picado. Para picar, basta colocar a faca dentro da lata do tomate e ir cortando grosseiramente. Acrescente meia lata de água (use a mesma do tomate), mexa e deixe ferver até ficar na consistência que te agrade. Eu gosto mais molhadinho mesmo. Se ficar seco, acrescente um pouquinho da água do macarrão.
Quando o macarrão estiver no ponto, escorra e despeje na panela do molho com o fogo ainda aceso. Mexa delicadamente e acrescente algumas folhas de manjericão. Eu coloquei meia xícara, mas é a gosto. Acerte o sal  e está pronto! Rale um pouquinho do parmesão sobre o macarrão direto no prato.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Pernil de Cordeiro com Maçãs, Sidra e Mel

Que época deliciosa é essa? É época de visitar a família, conversar em volta da mesa até tarde, trocar presentes com pessoas que amamos e comer! Comer muito e muito bem. Esperei ansiosamente por esse finalzinho de ano para recarregar as baterias com energia boa e é isso que vamos fazer.
Acho muito bonito nessa época o carinho que as mães e tias colocam na comida. É engraçado porque durante o ano todo a comida pode ser muito boa, mas nessa época ela é linda, cheirosa, gostosa e confortável. Comida de natal é definitivamente especial.
A receita de hoje é bem assim e eu olhei para ela muitas vezes durante o ano no meu livro do Ramsay. É um assado lindo, cheio de aroma e sabor, é original e sai um pouco do tradicional peru assado. Perfeito para o Natal.
 O que mais me surpreendeu foi que apesar de ter maçãs, sidra e mel, não é um prato doce... é um sabor levemente ácido e picante. O pernil de cordeiro é uma carne especial que absorve muito bem o tempero e realça cada sabor e por isso foi a nossa escolha esse ano.

A receita original é do livro Cozinhando para os Amigos do Gordon Ramsay, mas para variar fizemos algumas adaptações.

Não é difícil, hein?! Vamos lá!
Ingredientes:
  • 4 dentes de alho 
  • 2 pimentinhas cumari ou qualquer outra pimenta em conserva
  • aproximadamente 2 colheres (chá) de sal (para nossa peça de 1,5kg ficou no ponto)
  • raminhos de tomilho
  • suco de 1/2 limão
  • 5 maçãs fuji 
  • 1 garrafa de sidra (aquela baratinha mesmo)
  • 4 colheres (sopa) de mel
  • uma cabeça de alho inteira
  • Sal e pimenta a gosto
Primeiro coloque o forno para pré-aquecer a 220°C. Depois faça cortes superficiais na gordura ao redor do pernil, formando losangos.

Amasse o alho com o sal, a pimenta e as folhinhas do tomilho. Espalhe um pouco de azeite por todo o pernil e depois esfregue o tempero por toda a peça. Coloque em uma assadeira, despeje o suco de limão em cima da carne e asse em forno quente por 20 minutos.

Enquanto isso, corte as maçãs em 4 e retire as sementes. Retire o pernil do forno e reduza a temperatura para 180°C.

Derrame delicadamente algumas colheres da sidra sobre o pernil. A idéia é não desgrudar o tempero do pernil, por isso não é legal derramar diretamente da garrafa. Espalhe 2 colheres de mel sobre a parte mais bonita do pernil, vire e espalhe mais uma colher no outro lado. Deixe a parte mais bonita virada para baixo na assadeira para que no final do processo ela esteja virada para cima bem lindona e dourada.

Espalhe as maçãs, mais alguns ramilhos de tomilho e uma cabeça de alho cortada ao meio, na assadeira. 
Derrame metade da garrafa de sidra na assadeira e leve para assar por mais 30 minutos.
Retire do forno, vire o pernil, regue com o suco da assadeira e outra colher de mel. 

Agora precisamos calcular o tempo de forno para o seu pernil. A conta é simples: para cada 450g de pernil some 12 minutos se quiser mal passado ou 15 minutos se quiser ao ponto. O meu tinha 1,5kg então deixamos por aproximadamente 40 minutos (1500g/450g X 12) porque queríamos mais molhadinho mesmo.

Derrame a sidra restante pela assadeira e leve para assar pelo tempo calculado. Não se preocupe se ficar um excesso de caldo porque depois ele vai virar um molho fantástico.

Retire o pernil da assadeira, coloque sobre uma tábua de carne e cubra com papel-alumínio. Deixe descansar enquanto prepara o molho.

Nesse ponto, as maçãs devem estar bem macias. Retire a cabeça de alho e metade das maçãs e reserve. Derrame o caldo em uma panela, passe a outra metade das maçãs por uma peneira e acrescente ao caldo. Não vai passar muita polpa, mas tudo bem, descarte o que sobrar na peneira.
Leve ao fogo médio deixe ferver até reduzir e dar uma engrossadinha. Como tem o açúcar da sidra, da macã e do mel, ele deve ficar mais firme a medida que for esfriando.

Prove, ajuste o sal e a pimenta e coloque em uma molheira.

Na hora de servir, retire o papel alumínio e enfeite com a cabeça de alho e as maçãs.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Bolo (Quase Saudável) de Banana e Maçã

Eu tinha um certo trauma de canela... evitei esse condimento/tempero/especiaria por muito tempo, mas dizem que o paladar do adulto muda né!? A gente passa a interpretar melhor o sabor das coisas e começa a dar uma chance aos sabores picantes, amargos, azedos e indefinidos. E dando chance eu descobri que a canela não tem aquele sabor assustador que as pessoas colocam na comida só para não compartilhar com as crianças (comigo funcionava). Depois disso tive a fase banana, queijo e canela (era pizza, pastel, bolo, tostex, e por aí vai) e a agora passo pelo momento maçã e canela onde todo tipo de bolo e tortinha me faz morrer de amor.

Descobri que os bolos de maçã além de saborosos e molhadinhos são ultra fáceis de fazer... nem suja a batedeira, basta misturar tudo e está pronto pra assar. Logicamente que fiz alguns e fui mudando coisas, mesclando receitas até chegar no preferido. E é esse que vou compartilhar com vocês! No processo de busca encontrei duas receitas muito boas que serviram de base pra essa, uma é do Quintal (um blog lindo, elegante e super inspirador que eu acesso sempre) e a outra do livro Panelinha (aquele onde tudo funciona!).

As vantagens: 
- é integral de verdade, não leva farinha branca nem açúcar refinado. 
- é muito saboroso, levei para os amigos do trabalho e não sobrou nem um farelinho.
- é fácil demais, o que demora é só descascar e picar as macãs.
- cobri com brigadeiro, hahaha, porque estava com desejo de doce e achei que na cobertura de um bolo tão saudável as gordurinhas localizadas não iriam nem notar.
Vamos aos fatos:
  • 1 xic de farinha integral
  • 1 xic de mix de aveia, quinua e amaranto (achei a mistura pronta no Pão de Açúcar, mas se não achar é só misturar quantidades iguais dos 3 ingredientes em flocos finos)
  • 1/2 xic de açúcar mascavo (se as frutas não estiverem maduras e docinhas pode acrescentar uma colher a mais)
  • 2 colheres (chá) de canela em pó
  • 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
  • 1 colher (chá) de fermento para bolo
  • 1/2 xic de óleo vegetal 
  • 3 ovos
  • 3 maçãs fuji médias, sem casca, picadas em cubinhos de 1cm mais ou menos
  • 3 bananas prata grandes maduras amassadas
  • 1 colher (chá) de essência de baunilha
  • (opcional) 2 colheres (sopa) de conhaque
  • (opcional) 1 xic de amêndoas (pode ser substituído por nozes, macadâmias, avelãs, etc mas dessa vez eu não tinha nenhum desses em casa e nem coloquei) 
Cobertura (totalmente opcional)
  • 1 lata de leite condensado
  • 1/2 xic de chocolate em pó (não gosto muito de usar achocolatado porque fica meio doce demais, mas também funciona)
  • 1 caixinha de 200ml de creme de leite (gosto de usar para deixar a textura mais cremosa e o sabor menos doce)
O modo de fazer é bem simples. Primeiro misture a maçã picadinha com o açúcar e o conhaque e reserve. 
Coloque o forno para pré aquecer, o que eu sempre esqueço :( e unte a forma retangular média com um tiquinho de margarina e farinha de trigo. 
Misture a farinha, o mix, a canela, o bicarbonato, as amêndoas e o fermento e reserve. Em outro recipiente misture os ovos, o óleo e a baunilha, nem precisa bater muito, é só misturar mesmo. Acrescente as maçãs e a banana amassada e misture de novo. Acrescente os ingredintes secos, misture e pronto, pode colocar na fôrma e levar para assar por aproximadamente 40 minutos. Quando começar a ficar douradinho é bom testar com o garfo para saber se ele sai sequinho. Não é bom deixar dourar demais para não ficar seco.

O brigadeiro é super fácil também, dá para fazer enquanto o bolo assa. Misture o leite condensado com o chocolate em pó (eu uso o cacau em pó as vezes pra fingir que fica mais saudável) leve ao fogo baixo mexendo sempre até começar a desgrudar da panela. Acrescente o creme de leite e continue mexendo até chegar no ponto de cobertura mais molinha.

Pronto! Você pode cobrir o bolo todo com o brigadeiro ou deixar em uma molheira para servir diretamente no pratinho. 

domingo, 3 de novembro de 2013

Coringa da cozinha: Ragú de fraldinha

Falta tempo? E para quem não falta? Talvez essa seja a desculpa para deixar nosso hobby de lado, hehe (não siga esse exemplo! é feio!) Mas não precisa ser desculpa para comer mal! Então hoje vamos ensinar um prato coringa! Super fácil e delicioso, com cara de comida de mãe, de casa... E dá pra fazer uma quantidade maior e congelar em potinhos. O ragú de fraldinha já virou molho de macarrão, acompanhamento de risoto e hoje será servido com aquele nhoque que já ensinamos por aqui. Alías o nhoque também é figura garantida no meu congelador, e me salva sempre que estou sem tempo nenhum ou com uma preguiça danada.
Estou pensando em usar pra fazer um escondidinho também... Enfim, é muito versátil, barato, fácil e leve! 


Vamos lá!

Ingredientes para 5 a 6 porções (essa coisa de "porção" é sempre difícil pra mim, porque depende muito, né? aqui serviu de molho para 8 pratos de macarrão ou nhoque, mas nós comemos pouco, então pode render menos se a família for melhor de garfo...):
  • 1kg de fraldinha limpa cortada em cubos 
  • 2 colheres (sopa) de óleo ou azeite
  • 2 colheres (chá) de sal
  • 3 dentes de alho médios ou grandes amassados
  • 3 talos grandes de salsão em rodelas finas
  • 2 latas de tomate pelado 
  • 500ml de vinho tinto
  • 3 cenouras grandes em rodelas
  • 2 cebolas grandes em rodelas
  • 2 pimentas de cheiro inteiras
  • 3 pimentas cumari ou malagueta (opcional, só use se gosta de sentir o ardido da pimenta mais evidente)
  • 1 ramo de alecrim (só as folhinhas)
  • 3 ramos de tomilho (só as folhinhas)
  • 3 ramos de orégano fresco (só as folhinhas, e se não tiver o fresco, coloque outra ervinha, o orégano seco não fica legal)
  • salsinha picada a gosto
Vou começar pelas dicas de congelamento! Quem não morre de dó de derramar 500ml de vinho gostoso em um molho? Eu sofria muito! Mas agora toda vez que sobra um pouquinho de vinho na garrafa, ou que abrimos uma que não agrada, congelamos em um saquinho. Claro que não vai servir para tomar mais tarde, mas não perde nada se você for usar para cozinhar. Temos um saquinho para vinho branco e outro para vinho tinto. 
Também congelo os talos de salsão, porque sempre que compro aquele maço enorme não uso nem metade. Simplesmente limpo bem e congelo os talos. Ainda estou estudando o que fazer com as folhas, porque dá muita dó jogar fora...
O último item é a salsinha. Pode congelar picadinha em um potinho. A única dica é: você tem que usar congelada mesmo, não pode deixar o potinho descongelando e depois voltar pro freezer porque gruda tudo. Nesse caso prefiro colocar na panela e não diretamente no prato. Descongela em segundos e preserva a cor e o sabor.
Chega de enrolação! 
Primeiro pique tudo e reserve. 
Leve à panela de pressão em fogo alto o óleo, o alho, o sal e a carne. Deixe refogar até secar o caldo no fundo da panela.
Enquanto está refogando, acrescente as ervinhas (alecrim, tomilho e orégano), a pimenta cumari e metade da cebola. Assim que começar a secar pode acrescentar os outros ingredientes (exceto a salsinha) e 200ml de água. Tampe a panela de pressão e quando começar a chiar (esse é o momento em que a panela atinge a pressão máxima) abaixe o fogo e deixe cozinhar por 30 minutos.

Enquanto isso, uma tacinha de vinho tinto e um petisquinho para relaxar.
Quando der os 30 minutos, tire a pressão e abra a panela. Mexa bem com uma colher e vá apertando um pouco a carne e as cenouras contra a panela para começar a desmanchar. A cenoura deixa o molho mais cremosinho, o tomate deixa o sabor mais leve e a cor bem bonita.
Acerte o sal, tampe novamente e deixe mais 10 minutos na pressão. Quando ficar pronto, acrescente a salsinha e prontinho! 

Quanto mais você mexer o molho com a colher, mais desfiadinha vai ficar a carne. O marido prefere os pedacinhos maiores, então não deixo desmanchar demais.
Servi com o nhoque que descongelei na hora e cobri com mais salsinha! Tomamos uma garrafa do tinto sul africano Fleur du Cap Pinotage 2010 que combinou muito bem. Hmmm deu fome de novo!

sábado, 20 de julho de 2013

Pra Impressionar Sem Dar Trabalho: Pesto e Queijo Camembert

Hoje vou compartilhar com vocês um petisco delicioso que uma amiga linda fez pra mim um dia desses. É aquele tipo de truque culinário que não te toma a tarde inteira mas rende muitos elogios. Combina com cerveja e com vinho, ou seja, não te deixa na mão!
Na verdade o truque mesmo está no pesto, porque ele serve tanto nesse petisco como em uma massa, uma salada, até com torrada fica bom. E dá pra fazer super rápido e guardar na geladeira por uma semana. Só alegria Jesus!!!

Vamos embora!

Ingredientes:
Pesto:

  • 1 xícara de folhinhas de manjericão lavadas (pra quem já tem hortinha, hora de podar!)
  • 2 dentes de alho grandes (se gosta do sabor do alho mais pronunciado, pode colocar até 4 dentes médios)
  • 3 colheres de nozes
  • 100g de parmesão ralado na hora
  • 1/2 xícara de azeite

Acompanhamento:

  • queijo camembert 
  • grissinis (aqueles palitinhos temperados) ou torradinhas

Essa coisa preta é o alho, hehe. Não estava fotogênico no dia.

Não tem como errar, mas vou dar umas dicas para ficar ainda melhor! Já comi muito pesto com sabor apenas de alho, mas a idéia desse molho é sentir também o queijo e o manjericão. Para conseguir isso temos duas dicas:
Dica 1: em uma frigideira pequena coloque um pouquinho de azeite e frite os alhos inteiros e com casca até a casca ficar bem escura.
Dica 2: Corte o alho no meio e retire o miolinho. Parece um brotinho, é só descartar.
Pronto, você agora tem um alho super saboroso, porém sem aquele ardidinho que gruda na língua e espanta os convidados.

Coloque todos os ingredientes do pesto em um liquidificador e bata até ficar virar uma pastinha. Somente isso e nada mais!

O camembert também é muito simples. Pré-aqueça o forno em temperatura alta e deixe de 10 a 15 minutos. Se for forno elétrico pequeno bastam 10 minutos. No convencional demora um pouco mais. O queijo deve ficar estufado e as bordas podem ficar ligeiramente tostadas.
Pode acontecer de vazar um pouco do queijo, mas não chega a ser um problema.

No final basta colocar o queijo em uma tigela e despejar umas 3 colheres bem cheias de pesto em volta ou por cima. Faça um corte no queijo e deixe escorrer o creminho derretido! Ai, deu água na boca só de lembrar!
Coma passando os palitinhos ou as torradinhas.
Na casa da amiga tomamos um chardonnay da Dal Pizzol. Já aqui em casa acompanhamos com um Arrogant Frog Tutti Frutti Rouge. Um vinho bem leve, aromático e gostoso! Ambos cairam como luva!